Bolsão MS - Cármen Lúcia diz que combate à violência exige solidariedade e capacidade de amar
Geral | Estadão Conteúdo | 14/02/2018 12h30

Cármen Lúcia diz que combate à violência exige solidariedade e capacidade de amar

Compartilhe:

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, afirmou que “há uma imperiosa necessidade de se superar o quadro de violência” vivido atualmente pela sociedade brasileira. A ministra falou da missão do Judiciário para a superação da violência na manhã desta quarta-feira, 14, durante o lançamento da Campanha da Fraternidade 2018 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), cujo tema é “Fraternidade e Superação da Violência”.

 

Para a ministra, a situação exige “solidariedade, fraternidade e a capacidade de amar e perdoar”. Cármen disse que a missão do Poder Judiciário é a aplicação do direito para buscar a solução de conflitos “de todas as formas contra todas as pessoas”, acentuando que umas sofrem mais que outras.

 

Cármen Lúcia se pronunciou após o secretário executivo da Comissão Brasileira de Justiça de Paz da CNBB, Carlos Moura, destacar que a comunidade negra é a maior vítima de violência do Brasil. “Há necessidade de encararmos, todos nós, emanados na perspectiva de superação do preconceito, da discriminação, que vitimiza essa comunidade”, disse.

 

A presidente do STF ainda afirmou que o Poder Judiciário tem “atuado de forma digna e de forma correta” para tentar superar esses problemas de forma democrática.

 

No lançamento da campanha também falaram o presidente da CNBB, cardeal Sergio da Rocha, o secretário-geral da conferência dos bispos, dom Leonardo Steiner, e o deputado federal Alessandro Molon (Rede-RJ), coordenador da Frente de Prevenção à Violência e Redução dos Homicídios na Câmara dos Deputados.

 

Durante os discursos, foram citados os números de violência do Brasil e os recentes episódios que marcaram o carnaval, vivenciados principalmente no Rio de Janeiro.

 

Desconfiança

 

Em sua fala, Cármen também destacou que a desconfiança que marca o quadro de violência pode tomar conta de “forma perigosa uma sociedade com marcos civilizatórios de pacificação”. “Essa pacificação que o Poder Judiciário procura permanentemente”, afirmou.

 

Cármen também destacou a necessidade da sociedade “voltar a amar” e crer no outro como aliado, e não como inimigo. “Eu fico me perguntando em que sociedade sonhamos quando a desconfiança e a violência contra o outro é o que se prega, e o que pelo menos se põe como a semente que pode florescer fazendo do outro não seu irmão, mas alguém que é preciso combater”, refletiu a ministra.

VEJA MAIS
Compartilhe:

PARCEIROS